Testo


"Permaneçam unos com a vossa Essência Espiritual.
Somente Ela, poderá mostrar-lhes os novos rumos a serem seguidos por cada um!"

Bem Vindos ao Portal Arco Íris - Confederação Intergaláctica

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Raios


Energias fundamentais do cosmos. Têm qualidades definidas, as quais transferem ao âmbito onde atuam; formam e compõem tudo o que existe. Sete Raios já se revelam na superfície da Terra; relacionam-se diretamente com o mundo formal. Outros cinco, polarizadores da evolução no nível astral cósmico, começam a influir nas camadas mais elevadas do universo planetário e pouco se introduzem nas mais densas. Transcurso da vida interna e externa decorre da ação dos Raios. O correto relacionamento do homem com essas energias é necessário para a evolução superior que o planeta ora atinge. Cabe ao ser humano compreendê-las, reconhecer sua meta e dinâmica, a fim de colaborar com inteligência na obra cósmica.

Os Raios estão presentes em tudo, desde partículas até incomensuráveis aglomerados estelares e galáticos, em todos os níveis da existência. Determinam as vias pelas quais cada núcleo de vida por eles vitalizado se inter-relaciona com o universo à sua volta e realiza o propósito da criação. Un ciclo solar abrange vários ciclos planetários; num ciclo planetário há ciclos menores. Todos eles são regidos por Raios. Cada Idéia emanada da Mente Universal é do seu desenvolvimento. Um Raio contém os demais; estes, como subtons do seu tom essencial, denominam-se sub-Raios. O tom fundamental, a nota básica é sintética deste sistema solar é o Segundo Raio Cósmico, amor-sabedoria. Energia crística. Os Raios regentes neste sistema solar são, na verdade, sub-Raios dele. Os espelhos podem captar Raios de fontes siderais, Raios que influenciam e atuam no sistema solar, mas que não regem seus processos de evolução.

Ao penetrarem a aura da Terra, os Raios imprimem nela padrões vibratórios que fazem surgir o que esotericamente se chama estruturas energéticas. Elas permanecem ativas por longos períodos, e assim contribuem para a manifestação do mundo tangível. Em sua pulsação, os Raios emitem múltiplos matizes do seu tom. Trazem a impetuosidade do fogo do espaço e, em seu fluxo constante e ininterrupto, fazem o mundo prosseguir no ritmo das leis evolutivas. Consciências criadoras sublimes regulam o grau e a intensidade desse fluxo, que se revela à existência universal em fases e ciclos determinados. O estudo dos Raios é a senda que conduz o homem ao seu próprio interior. Não há outra trilha – senão a da unificação do ser – para se rasgarem os sucessivos véus que recobrem a verdade. Esta, que contém o princípio e o fim de todas as coisas, mostra-se a ele cada vez mais avarcante e ao mesmo tempo sintética.

Os níveis materiais terrestres – o mental, o emocional e o etérico-físico, onde a humanidade em geral tem toda a sua vida consciente – constituem a faixa mais densa do plnao físico cósmico. Esse plano tem sete subdivisões e nele predominam sete desdobramentos de um dos Raios cósmicos. Acima desse plano há o astral cósmico, em que transcorre a vida imaterial; possui cinco subdivisões e recebe mais diretamente a influência de outros cinco Raios. O plano mental cósmico, cujo potencial energético é superior ao do astral cósmico, conta com três subdiviões, nas quais atuam em maior proporção nove Raios.

Existem, portanto, 21 Raios em ação no sistema solar, desdobramentos (ou sub-Raios) do segundo Raio Cósmico. Cada um deles se vincula a uma Fraternidade Cósmica e a um Signo Cósmico.

O relacionamento da humanidade terrestre com os Raios não se restringirá ao âmbito planetário, pois eles, por sua própria natureza, farão com que ela se integre mais no cosmos. No que concerne a este sistema solar e, de modo especial, à Terra no ciclo que se inicia, as Fraternidades Cósmicas transmitem suas emanações por intermédio de dois grupos estelares: as Plêiades e a constelação da Ursa Maior, prolongamentos de entidades que realizam trabalhos profundos com praticamente todos os Raios. Uma constelação pode irradiar a mesma energia em diferentes graus e com diferentes nuanças para planetas distintos; cada um recebe as vibrações mais adequadas à sua evolução.

Até hoje, a consciência terrestre esteve encerrada sem si própria, e seus contatos quase nunca se estendiam além do sistema solar; com isso, todo o fluxo das irradiações cósmicas era intermediado pelo centro regente deste sistema. Contudo, a partir de 8.8.88, certos portais foram abertos e as emissões de alguns núcleos extra-solares começaram a ser captadas pelos Espelhos deste planeta em necessidade dos filtos existentes no passado. O contato da humanidade com os Raios está sendo então atualizado, principalmente nos níveis internos. As revelações acerca dos Raios são acompanhadas de outras, referentes a realidades intrínsecas à vida cósmica: as Fraternidades cósmicas, os fogos, as diversas vias de formação das mônadas e seu aprofundamento na linhagem hierárquica que lhes corresponde.


A entrada de energias imateriais na aura da Terra acelera a sutilização da vida planetária e todos os setores da existência humana vão sendo atualizados. Antes da aproximação dos cinco Raios polarizadores da evolução no nível astral cósmico, o caminho ascensional desta humanidade tinha como meta a vida da alma. Potenciais de níveis mais profundos, como o do corpo de luz, o da mônada e o do regente monádico eram despertados em muito poucos. Com o impulso recebido de fontes siderais nesta transição planetária, o processo de transformação do planeta foi acelerado e a consciência humana passou a ser atrída com maior intensidade para níveis além do anímico. Daí advêm o forte estímulo à redução do seu envolvimento com o mundo formal e a crescente desvitalização de existências circunscritas à realidade concreta.

O relacionamento do homem com os Raios Primeiro a Sétimo teve como característica básica a construção de mecanismos e estruturas que lhe permitissem esgotar sua necessidade de experiência no mundo material. Esses Raios poderosos também tiveram a função de manter a vida planetária num grau de coesão suficientemente elevado para que o período de obscuridade fosse superado e vibrações mais sutis chegassem à órbita da Terra – como já está ocorrendo, embora aos poucos. Para o eu consciente conhecer aspectos mais abrangentes dos Raios, ele precisa voltar-se para o próprio interior, dirigir-se para seus núcleos profundos. Indivíduos e grupos, quando permeados por energias de níveis supramentais, são capazes de ir ao encontro da necessidade de cada momento; superam críticas, análises e envolvimentos emocionais. Deixam de guiar-se por conceitos adquiridos e espelham a realidade tal como se apresenta no mundo interno. Os Raios penetram os interstícios da matéria, vibram e irradiam estímulos à transcendência e à cura. A ligação consciente entre a matéria e os Raios se estabelece à medida que o reino humano, símbolo do consciente externo do planeta, consegue firmá-lo em si mesmo.

Entre as energias que promovem a manifestação de um universo destacam-se os chamados Raios de Aspecto. Exprimem os três Aspectos do Logos criador, ou Aspectos Divinos: Primeiro Aspecto, vontade-poder-propósito; Segundo Aspecto, amor-sabedoria-magnetismo; Terceiro Aspecto, atividadeinteligência-criação. Os componentes dos Raios de Aspecto variam de um ciclo para outro. Na etapa passada da Terra e do sistema solar, no nível físico cósmico, o Primeiro, o Segundo e o Terceiro Raio eram os Raios de Aspecto. A partir da atual transição, estes passam a ser compostos por conjunturas energéticas. Primeiro Raio de Aspecto: formado pelo Primeiro, pelo Sexto, pelo Sétimoe pelo Décimo Segundo Raio; custodia e irradia o propósito da manifestação universal. Segundo Raio; atrai o necessário para que esse propósito se cumpra; configura o Plano Evolutivo. Terceiro Raio de Aspecto: formadopelo Terceiro, pelo Quinto, pelo Oitavo e pelo Décimo Raio; plasma na vida manifestada padrões em conformidade com a meta evolutiva. Na figura abaixo as partes hachuradas correspondem aos três Raios de Aspecto desta etapa:


......



No ciclo passado, entre os sete Raios, os Raios pares (Segundo, Quarto e Sexto) formavam um grupo de energias com qualidades afins, e os ímpares (Primeiro, Terceiro, Quinto e Sétimo), outro grupo. Agora que o número de Raios ativos na Terra se eleva a doze e o fogo solar está mais atuante, há novas modalidades de interação, e com isso prepara-se o equilíbrioda vida no planeta para, em etapas posteriores, a Terra ser permeada pelo fogo cósmico.Uma dessas modalidades, mostrada pelos hexágonos da figura anterior, é:

Raios Complementares 

Permitem a expansão do impulso-vida                  Permitem a abstratação do
e sua expressão nos níveis materiais                      impulso-vida e sua expressão
                                                                                                    nos níveis imateriais
                                                                        

Primeiro Raio                                                                      Décimo Segundo Raio
Segundo Raio                                                                      Décimo Primeiro Raio
Terceiro Raio                                                                         Décimo Raio
Quarto Raio                                                                           Nono Raio
Quinto Raio                                                                           Oitavo Raio
Sexto Raio                                                                               Sétimo


Note-se, especialmente, a posição do Sexto e do Sétimo Raio nesses dois conjuntos; são Raios básicos na sutilização do planeta. O Sexto conduz o impulso-vida manifestado à ascensão. Por seu estímulo, o que está embaixo busca elevar-se. O Sétimo; por sua vez, faz vibraçoes imateriais penetrarem a matéria, liberando seu potencial. Por seu estímulo, o que está em cima volta-se e integra-se no que está embaixo. São, portanto, elementos de ligação entre os dois conjuntos.

A existência dos Raios começa pouco a pouco a ser percebida pela humanidade:

Primeiro Raio (vontade-poder)

Destrói formas ultrapassadas para emergirem as atuais; estimula o despertar e a manifestação da essência. Molda o novo homem, dirige a evolução das Raças. Está presente no átomo como poder de coesão. Atividades vulcânicas, bem como a genuína e pura capacidade de governar, advêm do Primeiro Raio.

Segundo Raio (amor-sabedoria)

Permite a construção das formas; é magnético, aglutinador. Conhecido como energia crística, é a nota básica deste sistema solar. A sensibilidade e o perfume no reino vegetal, o processo iniciático no reino humano e em outros, superiores, a ciência do amor e da união com o Todo e sua expressão externa, a religião, advêm do Segundo Raio.

Terceiro Raio (atividade inteligente)

Dá vida, organiza e estrutura as formas. Age no plano etérico por meio da energia vital. A adaptabilidade e o instinto nos animais e os modos de interação entre os homens (comunicações, transportes, rádio-eletrônicae outros) estão sob influência do Terceiro Raio. Essa energia relaciona-se também ao uso do dinheiro e dos bens materiais.

Quarto Raio (harmonia)

Leva as formas ao aperfeiçoamento; no ser humano, põe em relevo o princípio anímico e age pela energia intuitiva. Rege a humanidade como um todo. Levao homem a perceber os limites do campo de consciência no qual se encontra confinado e o impulsiona, às vezes por meio de conflitos, a superá-los. Vividos conscientemente, esses conflitos conduzem-no ao equilíbrio.

Quinto Raio (conhecimento e ciência)

Promove a aproximação das formas à Ideia divina que lhes deu origem; estimula o desenvolvimento do mundo concreto e age por intermédio do impulso mental e do intelecto. Gera a ciência da alma, a psicologia e a educação.

Sexto Raio (devoção e entrega)

Eleva a vida e os seres; canaliza o desejo e a aspiração para metas cada vez mais altas e revela novos ideais. A busca pelos vegetais e a domesticidade dos animais dão-se por sua influência.

Sétimo Raio (ordem e cerimonial) 

Encontra-se hoje especialmente ativo. Estimula a união do espiríto com a matéria. É uma das linhas diretoras da organização energética do planeta, um dos regentes da existência terrestre no ciclo que ora tem início. Traz a possibilidade de as estruturas dos diversos níveis de consciência adquirirem conformação que lhes faculte responder de modo mais perfeito aos estímulos da luz. Propicia o contato do homem com o reino dévico. É pela influência dessa energia que se podem perceber os fatos, os seres e os próprios corpos como energia em movimento e expressões de realidades internas. Revela o lado oculto da vida e a ciência do relacionamento com ele. Impulsiona a formação de grupos e os conduz em consonância com o propósito evolutivo; organiza as forças do mundo formal por meio do ritmo preciso e constante. Leva a consciência humana a transcender o personalismo e a fazer parte de consciência mais global. A radioatividade, no reino mineral, é ativida pelo Sétimo Raio.

No que concerne à vida externa na Terra, apesar de sempre existentes, os Sete Raios alternam ciclicamente a intensidade da sua influência. De acordo com os ensimamentos pioneiros transmitidos também por D.K., o Primeiro Raio não está em fase de grande atividade; o Segundo está ativo desde 1575; o terceiro, desde 1425; o Quarto ampliará sua atividade a partir de 2025; o Quinto está ativo desde1775; o Sexto está-se recolhendo desde 1625; o Sétimo está ativo desde 1675, datas que são apenas referenciais. No início de cada ciclo desses, a atuação do Raio é diminuta; vai crescendo até o máximo possível para a etapa, e então começa a decair. Um Raio pode estar pouco ativo na esfera terrestre, mas em plena atividade em outra. Tal é o caso do Sexto, que se está retirando da superfície planetária ao mesmo tempo que em âmbito solar e cósmico é uma das energias regentes da obra salvífica da vida na Terra.

Os ensimanetos transmitidos por intermédio de Alice A. Bailey (1880-1949), publicados por Lucis Trust, referiam-se à etapa de reconhecimento dos sete Raios manifestados no universo físico cósmico; esses Raios foram também abordados no livro A ENERGIA DOS RAIOS EM NOSSA VIDA, de Trigueirinho. Emergem agora novas etapas desse ensimaneto, delineadas no livro CONFINS DO UNIVERSO (Novas revelaçoes sobre ciência oculta), deste mesmo autor.

Assim como, nos vários níveis de consciência, planetas e galáxias são regidos por Raios, cada núcleo e cada corpo do ser tem um Raio como energia essencial básica. O Raio fundamental de um ser humano é a energia essencial do regente monádico.


Os Raios serão os alicerces da ciência no futuro; neles se fundirá o conhecimento sobre o homem e sobre o universo. Os Raios e as linhagens hierárquicas entretecem-se para concretizar o propósito superior da existência humana. Cada linhagem hierárquica reflete ‘’uma face do Criador’’, enquanto o sopro de vida que as anima é a energia do Raio correspondente. Cada Raio possui vibração, qualidades energéticas, tom e cor necessários para a manifestação de uma faceta da Criação; exprime tonalidade própria e age sobre a matéria conforme padrões específicos. Os Raios são portadores da luz da essência e, como ela, revelam-se gradualmente ao ser humano. Permitem à vida manifestar-se com múltiplos matizes sem, todavia, perder a unidade.

Conjunturas de Raios despertam e intensificam potenciais internos; além disso, facultam aos indivíduos o acesso a campos de serviço de outro modo inalcançáveis. Essas conjunturas formam-se segundo leis cósmicas que têm em vista os caminhos mais simples e adequados para cada universo elevar-se.

Para maiores informações vide as as páginas 381, 382, 383, 384, 385, 386, 387, 388, 389, 390 do Glossário Esotérico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...